Dez questões que desmontam a PEC 241, por Laura Carvalho

Blog do Renato

A economista Laura Carvalho organizou uma lista de perguntas e respostas sobre a Proposta de Emenda Constitucional  (PEC) 241, que limita o crescimento dos gastos públicos. De forma didática, ela tira as principais dúvidas sobre o assunto e ajuda a desconstruir alguns mitos em relação ao tema. O Portal Vermelho publica abaixo.

 

 

1. A PEC serve para estabilizar a dívida pública?

Não. A crise fiscal brasileira é sobretudo uma crise de arrecadação. As despesas primárias, que estão sujeitas ao teto, cresceram menos no governo Dilma do que nos dois governos Lula e no segundo mandato de FHC. O problema é que as receitas também cresceram muito menos – 2,2% no primeiro mandato de Dilma, 6,5% no segundo mandato de FHC, já descontada a inflação. No ano passado, as despesas caíram mais de 2% em termos reais, mas a arrecadação caiu 6%. Esse ano, a previsão é que as despesas subam…

Ver o post original 1.111 mais palavras

O rescaldo do golpe de 2016 e a vitória do analfabetismo político: eleições municipais de São Paulo assume seu lado mais perverso e fascista

WELLINGTON FONTES MENEZES

O mundo hoje caiu sobre a cidade de São Paulo. Em pleno golpe de estado que viceja no país, o candidato fabricado pelo governador tucano paulista, Geraldo Alckmin, o burguês milionário João Dória é surpreendentemente eleito prefeito de São Paulo. Algumas breves lições deste episódio pantomímico para a vida paulistana e os destinos do país.

A pergunta que se faz é quem é o tal de João Dória? Como qualquer vácuo político deixando por algum contexto dilacerante da vida política social, tal como foi o caso do golpe de estado aplicado no país neste ano, Dória foi um ilustre desconhecido que seque vive corriqueiramente no país, não sabe quantos bairros tem na cidade, exceto os Jardins, onde ele tem seu luxuoso palácio. Com uma campanha milionária e desproporcional com relação aos seus concorrentes, o poder de décadas ininterruptas da máquina paulista tucana do governador Alckmin e uma imprensa que é bem paga para impor um fascismo midiático sobre a população, Dória passou de um ilustre desconhecido para um desconhecido eleito prefeito da maior cidade do Brasil!

Dória que após ter comprado votos para se eleger em seu próprio partido, o PSDB e criar um racha interno nele, com uma curta campanha eleitoral imposta pela mostrenga legislação eleitoral criada pelo ex-presidente do Congresso Nacional, Cunha Golpista, o mesmo deputado que foi cassado e pivô central do golpe parlamentar, recebeu de braços abertos, neste domingo uma massa hipnotizada pela grande mídia fascista elege-o em primeiro turno. A mesma massa que tanto Dória, o burguês “grã-fino” dos Jardins, ter tanto asco! Um surreal feito inédito nas eleições com modalidade em dois turnos, para levar todo atraso reacionário na cidade nos próximos quatro anos. Em síntese, Dória é quase um completo imbecil político e um malandrão das falcatruas lobistas da calada da noite.

Quem votou de fato na invenção eleitoreira tucana de Alckmin sequer chegou a conhecê-lo! Um voto no escuro teleguiado pela grande mídia fascista no leito do discurso de ódio anti-PT que atingiu em cheio a reeleição do petista Fernando Haddad. O sempre sorridente Dória, sabedor declarado de que nada melhor do que um bom caviar e champanhe francesa feita com as melhores parreiras, não passa de um burguês típico da herança colonial paulista cujas suas empresas nada produzem, sequer um palito de fósforo, mas apenas lucram com lobby e tráfico de influência. É o tipo escroto paulistano da “high society” que tem nojo de pobre, cospe na cara deles e defeca, sem pudor algum, em suas cabeças… Tudo que uma boa embalagem marqueteira fez foi maquiar o produto e dizer o debochado slogan: “João é trabalhador”. Qual trabalhador? A grande mentira é que, exceto a labuta em ser bibelô de festas colossais para mimar milionários parasitas, Dória jamais trabalhou na vida!

Com a campanha do fascismo midiático anti-PT, os fracionamentos narcísicos entre as esquerdas e a perda de diálogo com mais eficiência com classes mais pobres, abriu-se espaço para os partidos que protagonizaram a derrubada da presidenta Dilma se consagrasse em um retumbante espetáculo de puro horror político e osmose fascista por quase todas as regiões paulistanas. Dória foi o líder do movimento de burgueses ricaços chamado “Cansei”, visando derrubar o governo Lula em 2007. Lembrando que o foco fascista de irradiação do ódio anti-PT e dos movimentos da direita e da extrema-direita de derrubada do governo Dilma como as marchas do ódio anti-PT na Avenida Paulista tem como protagonismo principal a cidade de São Paulo.

Dória, agiu como bom poodle tucano e rezará pela cartilha ultraliberal e entreguista do PSDB, já prometeu que irá vender tudo que for possível e derreter o patrimônio público e com propostas de campanha cínicas e estapafúrdias, humilhantes tal como prometer pobres se consultar em “postos móveis” às madrugadas dentro de caminhões, a população mais carente paulistana irá certamente comer o pão que o Diabo amassou com o bico tucano. Claro, a senzala não poderá faltar ao trabalho servil durante o dia e terá que se consultar durante a madrugada!

O mais tétrico do circo patrocinado pelas eleições paulistanas de tudo é o farsesco discurso “anti-política” do político Dória que é marca principal da retórica fascista de manipulação de massas em tempos de estado de exceção imposto no país: a negação da política. O sujeito cai de paraquedas em uma prévia partidária, compra votos para se eleger, é capacho do atual governador, torra um volume astronômico na campanha eleitoral, manda publicar pesquisas fajutas nos principais meios de comunicação da cidade e, além disto, é suspeito de mandar pichar monumento histórico público somente para atacar o atual prefeito e, cinicamente, diz que não é “político”?

Fato que deve ser destacado é estrondoso analfabetismo político marcado protagonismo dos paulistanos mais pobres das periferias que foram lobotomizados no mais puro clima de ódio fascista anti-PT e a desconstrução e distorção sistemática da grande mídia fascista da ideia de política na vida pública por parte da população. Além disto, o destaque o número de abstenções, nulos e votos em branco é superior ao número do prefeito eleito. O fascismo se alimenta do analfabetismo político e o desprezo da democracia para vingar em uma dada sociedade.

As classes mais pobres, que sempre foram mais simpáticas às candidaturas petistas, demonstraram nas urnas uma espécie de ingratidão das conquistas mínimas já alcançadas e promovidas pelo partido do atual prefeito paulistano e, canalizadas pela política do cabresto midiático, parecem renunciar à um futuro melhor do que a servidão às elites patronais e a porrada cotidiana imposta pelo grande aparato de opressão da burguesia cruel e impiedosa. Variar, tardiamente, o arrependimento virá logo mais, com sangue das agressões policialescas, desemprego, precarização e muita dor.

Nada mais convincente à uma massa que a intensificação da política de propaganda da escola nazista de Joseph Goebbels. Quanto a isto, as esquerdas têm uma incrível capacidade letárgica ao não saber fazer leitura de conjuntura para poder atuar perante a dimensão social reinante em um dado momento histórico dominando pelas forças mais reacionárias e conservadoras. Diante da tragédia anunciada, o que as esquerdas, em São Paulo, agora irão fazer? Continuarem a se mutilarem entre si com foices no escuro, ficarem discutindo sobre inócuos narcisismos sexuais de egos fugidos do divã ou debulharem em lamúrias patéticas de maridos traídos, a “política do corno manso”, que vem agradando aos ouvidos da conformidade passiva perante a barbárie entanto a direita tratora sem nenhuma piedade?

É preciso a conscientização que o fascismo venceu em São Paulo e a prova que “pobre de direita”, hipnotizado por uma mídia fascista, é o fenômeno que mais causa dano a qualquer democracia que busque se libertar da barbárie. São Paulo é o carro-chefe do fascismo à brasileira e isto jamais poderá ser desprezado perante o futuro cenário que está se formando após a consolidação do golpe de estado. Sim, estamos todos fadados a tempos de treva duríssimos que cairá sobre a cidade mais fascista do Brasil.

A vitória acachapante do pacto entre a grande mídia fascista e Alckmin é a certeza que o projeto do governador será levado ao cabo até as últimas consequências até ele ser entronando o novo presidente em 2018 para ser aprimorado ainda mais o estado de exceção na nova vida política velha brasileira. A treva é só o início do mundo maldito que a direita e seus extremos irão conduzir esta nação.

*menezes WELLINGTON FONTES MENEZES é doutorando no Programa de Pós-Graduação em Ciências Jurídicas e Sociais da Universidade Federal Fluminense (UFF). Mestre em Ciências Sociais pela Universidade Estadual Paulista (UNESP). Bacharel e Licenciado em Física pela Universidade de São Paulo (USP). Professor Universitário e da Rede Pública do Estado de São Paulo. Blog: www.wfmenezes.blogspot.com.br E-mail:wfmenezes@uol.com.br